ABDOMINOPLASTIA 01.jpg

ABDOMINOPLASTIA

Contorno Corporal

A cirurgia de abdominoplastia é uma das cirurgias plásticas estéticas mais realizada no mundo, sendo um dos principais procedimentos da clínica.  Muito importante, entender as queixas e expectativas do paciente com a cirurgia. Entre em contato caso dúvidas, nossa equipe está preparada para te ajudar durante esse processo. Nesta página você encontrará informações importantes para sua tomada de decisão.  A abdominoplastia evoluiu muito nos últimos anos, se tornando um procedimento controlado e seguro. Hoje, com as evoluções das técnicas podemos associar a lipoaspiração ao procedimento, melhorando o contorno corporal principalmente nos flancos da paciente. Abaixo temos vídeos e 25 perguntas frequentes sobre abdominoplastia.

24 Perguntas frequentes

Abdominoplastia

1- COMO É FEITA A CIRURGIA?

A cirurgia de abdominoplastia é feita pelo cirurgião plástico. O objetivo da cirurgia é retirar o avental de pele que a paciente possui em abdômen inferior causada pelo ganho/perda de peso, gestações ou envelhecimento. O corte na pele (incisão) é realizado em região de abdômen baixo, próximo ao púbis, normalmente no local da cicatriz da cesariana ou abaixo dela, caso a paciente possua.
O tamanho do corte acaba variando de cada paciente, sendo normalmente até onde a barriga apresenta sua dobra, em casos onde o excesso de pele é pequeno, podemos realizar uma miniabdominoplastia, que seria o mesmo procedimento com incisões menores.
Associada a retirada de pele, podemos realizar a aproximação da musculatura abdominal que, normalmente, encontra-se separada pelas gestações previas, chamamos essa alteração de diástase do músculo reto abdominal.
Ao final do procedimento, a paciente apresenta uma cicatriz em região baixa, escondida pela roupa íntima e uma cicatriz em região do umbigo. Normalmente, toda pele que a paciente apresenta abaixo do umbigo até a região do púbis é retirada.
A paciente deve estar ciente que a cirurgia da abdominoplastia melhora de forma muito importante o contorno corporal e região do abdômen, as custas de uma cicatriz que se esconde em região de roupa íntima e que, normalmente, evolui com muita qualidade dentro de 1 ano e meio do pós-operatório.

2- O QUE É UMA MINI ABDOMINOPLASTIA?

Caso a paciente possua uma quantidade pequena de pele em abdômen inferior para ser retirada, podemos realizar cortes (incisões) menores. Em alguns casos, não é necessário confeccionar novo umbigo, nós abaixamos o umbigo para nova posição anatômica. Estes procedimentos de menor porte são chamados de mini abdominoplastia.
Devemos lembrar que a indicação de uma mini abdominoplastia ou abdominoplastia clássica deve ser feita pelo cirurgião plástico. Pacientes que buscam uma mini abdominoplastia, mas necessitam uma cirurgia maior, terão um resultado estético abaixo do desejado, pois a indicação do procedimento está errada.

3- POSSO FAZER UMA ABDOMINOPLASTIA PARA EMAGRECER?

Não. O objetivo da abdominoplastia é a melhora do contorno corporal da paciente, principalmente da região de abdômen. A paciente pode apresentar diminuição do seu peso após o procedimento, mas o cirurgião não busca o emagrecimento como resultado da cirurgia plástica.
Caso a paciente esteja buscando tratamento para emagrecer, a abdominoplastia não é a resposta.

4- ABDOMINOPLASTIA TIRA ESTRIAS E GORDURA?

Sobre estrias: Normalmente, por ganho de peso ou gestação, ocorre aumento de volume rápido em região abdominal, levando as lesões da pele pelo estiramento, conhecidas como estrias. As estrias se apresentam em abdômen inferior principalmente, abaixo do umbigo. No entanto, em algumas pacientes temos a presença de estrias em região superior, acima do umbigo. Na cirurgia da abdominoplastia, é comum retirarmos a pele abaixo do umbigo até a região do púbis (próximo a cicatriz da cesária); assim sendo, toda estria que a paciente possuir nesta região, sairá. No entanto, deve ser reforçado que estrias em região superior, ou próxima ao umbigo, podem permanecer no pós-operatório.
Sobre Gorduras: É muito comum a associação de abdominoplastia e lipoaspiração para melhora do contorno corporal. A abdominoplastia não consegue tratar de forma satisfatória a gordura que a paciente apresenta nas laterais (flancos). Assim sendo, é interessante a associação da lipoaspiração para melhorar o resultado estético da paciente.

5- QUAL O TAMANHO DA CICATRIZ DA CIRURGIA PLÁSTICA DO ABDÔMEN?

A cicatriz é proporcional a necessidade de retirada de pele para melhora do contorno corporal da paciente. Normalmente, pedimos para a paciente sentar e forçar o a barriga para frente, e vemos o real avental de pele, a dobra que ela possui. Grosseiramente, o tamanho da cicatriz é proporcional a extremidade da dobra de pele da paciente. Caso o avental de pele seja pequeno, a cicatriz será pequena.
Caso a paciente solicite uma miniabdominoplastia, com objetivo de cicatrizes menores, mas possua indicação de abdominoplastia pelo excesso de pele/ avental que possui, o resultado estético final ficará comprometido. Não atingindo a melhora do contorno corporal possível.

6- QUEM PODE FAZER A CIRURGIA DE ABDOMINOPLASTIA?

A indicação de abdominoplastia é: paciente com excesso de pele/avental em abdômen inferior e infeliz com seu contorno corporal.
A consulta clínica e exame físico é extremamente importante para avaliar se a paciente é uma candidata para um procedimento estético. Não existe idade máxima, o importante é que a paciente esteja saudável e se possuir alguma doença, que ela esteja controlada.
Como a cirurgia plástica estética é um procedimento que não exige urgência, do ponto de vista de saúde, cabe ao médico orientar o melhor momento para realizar o procedimento, quando os riscos cirúrgicos estarão diminuídos. Por essa razão, as vezes é necessário que a paciente perca peso antes do procedimento, controle hipertensão, ou pare de fumar.
O peso da paciente é somente uma variante que levamos em conta na consulta da paciente que busca a abdominoplastia. Normalmente, utilizamos o peso da paciente para calcular o índice de massa corporal (I.M.C.). Para calcular o índice: peso/altura2. As pacientes que terão o melhor resultado cirúrgico são aquelas com peso normal (18,5-24,9) ou sobrepeso (25-29,9).
Pacientes com obesidade (I.M.C.>30), aumentam seus riscos de complicações cirúrgicas pelo peso como também atingem um resultado estético abaixo da média. Nestes casos, a melhor indicação é a perda de peso acompanhada de profissional da saúde para posterior procedimento estético.

7- QUAL O TEMPO DE RECUPERAÇÃO DE UMA ABDOMINOPLASTIA?

Podemos dividir o tempo de recuperação em: tempo para retorno das atividades com limitação, tempo de retorno das atividades sem limitação e tempo de recuperação para resultado estético.
- Retorno das atividades com limitação: Logo terminada a cirurgia o paciente é orientado da necessidade de caminhar no leito e da importância do mesmo para evitar complicações. O retorno das atividades é sempre relacionado ao desconforto do paciente, sendo liberado caminhadas e movimentações assim que possível. O esforço físico extenuante ou a elevação de peso durante esse período é contra indicado. A drenagem/massagem por profissional da área faz total diferença dentro da evolução.
- Retorno das atividades sem limitação: Após 3-4 semanas de pós-operatório, o paciente não apresenta desconfortos a movimentação ativa, sendo liberado para exercícios físicos. Vale lembrar que no entre 3-4 semanas de pós-operatório o paciente ainda permanece de malha para evitar retenção de líquido (seroma). Existe individualização de tratamento e de acordo com a evolução do paciente o período de 3-4 semanas pode ser antecipado como adiado.
-Tempo de recuperação para resultado estético: Temos como rotina a utilização de drenos para retirada dos líquidos (seromas), um dos motivos de seu uso é para a paciente, no dia seguinte da cirurgia, ter ideia do resultado estético que poderá atingir em 4 meses. Após os dias iniciais é comum a paciente apresentar inchaços (edemas) e retenção de líquidos localizados (seromas) o que esconde o contorno corporal final. Com 3 meses de pós-operatório temos juízo do resultado que o paciente atingirá, quando realizado retorno no consultório para avaliação e retirada de fotos. Existe uma melhora mês a mês, sendo comum o paciente relatar melhora até 6 meses de pós-operatório.
Importante é o paciente compreender seu papel na evolução do seu resultado, caso o mesmo não realize as drenagens/massagens, não realize dieta correta ou não esteja realizando atividade física o potencial resultado estético do procedimento não será atingido.

CORPORAIS.jpg

8- POSSO ASSOCIAR ABDOMINOPLASTIA COM LIPOASPIRAÇÃO?

A associação de procedimentos pode ser realizada dependendo das condições clínicas da paciente. Sempre respeitando os critérios de risco, como tempo de cirurgia e procedimentos associados.
A abdominoplastia evoluiu nos últimos anos, com melhor entendimento da anatomia e principalmente da vascularização dos tecidos, o que resultou em uma cirurgia com menores complicações. Assim sendo, a associação com lipoaspiração é comum. 
A lipoaspiração é associada a abdominoplastia para retirar gorduras localizadas, melhorando principalmente região de flancos, que não tem grandes melhoras somente com a abdominoplastia.
A associação entre abdominoplastia e lipoaspiração de alta definição existe, chama-se Lipoabdominoplastia HD e é uma técnica consagrada na literatura.
Nós possuímos artigo relacionado ao tema que foi publicado na Revista da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e na Newsletter da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica.

9- POSSO ASSOCIAR ABDOMINOPLASTIA COM CIRURGIA DE MAMA?

A abdominoplastia associada a cirurgia de prótese de silicone mamário é um procedimento relativamente comum e pode ser associado, levando a satisfação do paciente pois trabalhamos com melhoria em duas áreas do corpo.
A avaliação pré-operatória é importante, pois o tempo total de cirurgia é um dos fatores que pode aumentar as intercorrências/complicações, nem sempre a abdominoplastia é uma cirurgia rápida que pode ser associada a outro procedimento cirúrgico.
O desconforto do pós-operatório também aumenta pois trabalhamos em áreas diferentes do corpo. Assim sendo, após a paciente passar por avaliação médica pelo cirurgião e sendo liberada para o procedimento, a paciente deve estar ciente que o desconforto após a cirurgia combinada será maior do que se realizadas separadas.

10- O QUE É ABDOMINOPLASTIA EM ANCORA?

A abdominoplastia em âncora é um procedimento indicado quando o paciente apresenta tanto flacidez horizontal (avental de pele em abdômen inferior) quanto flacidez vertical. O procedimento é, normalmente, indicado para pacientes que perderam grande peso, como pacientes que reduziram o estômago.
Pela grande flacidez de pele, é necessário aumentar a quantidade de cicatrizes, na tentativa de melhorar o contorno corporal. Além da cicatriz da abdominoplastia clássica, em abdômen/púbis, que se esconde na roupa íntima, o paciente terá uma cicatriz vertical, passando pelo umbigo, pegando todo o abdômen.
É comum que os pacientes que passaram por redução de estômago (pós-bariátricos) apresentem cicatriz vertical da cirurgia inicial, facilitando a aceitação de novas cicatrizes.
A abdominoplastia em âncora também é conhecida como abdominoplastia em flor-de-lis.

11- ONDE POSSO FAZER UMA ABDOMINOPLASTIA?

Primeiramente, busque um profissional habilitado, um Cirurgião Plástico é um profissional com pelo menos 11 anos de formação, sendo 6 anos cursando Medicina, 2 anos cursando Cirurgia Geral e 3 anos cursando Cirurgia Plástica. Busque no site do CFM – Conselho Federal de Medicina, se o seu profissional é realmente Cirurgião Plástico. No cadastro, além do número do CRM, que aponta que ele é médico, o médico deve possuir número de RQE (registro qualificação de especialista) para cirurgia plástica. Busque um profissional que seja membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica pelo site da instituição.
Um procedimento cirúrgico estético, como uma abdominoplastia, é feito com anestesia e com tempo cirúrgico variado. Para abdominoplastia, é comum procedimentos de 4-6 horas de duração. Assim sendo, deve ser realizado em hospital capacitado para o porte do procedimento, com sala cirúrgica, recuperação e todos os equipamentos de suporte.

12- QUANTO TEMPO DEMORA PARA DESINCHAR A BARRIGA DEPOIS DE UMA ABDOMINOPLASTIA?

Primeiro é importante relatar que é normal a paciente inchar (edemaciar) após um procedimento cirúrgico como a abdominoplastia.
Após a cirurgia, o corpo de forma esperta produz um líquido amarelado (que lembra a cor da urina) para preencher os espaços que ficaram vazios pela retirada da gordura/pele. Este líquido é chamado de seroma. É para diminuir a quantidade e formação de seroma que a paciente usa no pós-operatório malha cirúrgica (cinta) associada a espuma compressiva.
Não é regra utilizar drenos após uma abdominoplastia, no entanto eles servem para retirar o seroma que ficaria coletado no tecido gorduroso do paciente. Caso não seja utilizado dreno, o sistema linfático do paciente reabsorverá o líquido, em um processo que pode demorar algumas semanas. Com a evolução da técnica cirurgia, é cada vez mais comum o não uso do dreno.
Importante relatar o papel da fisioterapia no pós-operatório, primeiramente com drenagem linfática e depois com massagens específicas, acelerando o retorno do paciente para atividades diárias.
Com os cuidados certos e esforço do paciente, em 3-4 semanas 90% do inchaço do pós-operatório já está resolvido. Os outros 10% serão reabsorvidos nos meses seguintes, não limitando a atividade do paciente no período e melhorando o resultado estético final.
Devemos sempre lembrar que o inchaço (edema) de só uma perna, associada a dor ou outros sintomas, pode ser sinal de trombose, sendo importante contactar o médico assistente para esclarecer as dúvidas.

13- QUANTO TEMPO TEM QUE USAR A CINTA (MALHA) DEPOIS DA ABDOMINOPLASTIA?

Primeiramente, devemos pontuar os motivos para o uso das malhas.

Após a cirurgia, o corpo de forma esperta produz um líquido amarelado (que lembra a cor da urina) para preencher os espaços que ficaram vazios pela retirada da gordura/pele. Este líquido é chamado de seroma. É para diminuir a quantidade e formação de seroma que a paciente usa no pós-operatório malha cirúrgica (cinta).

Além de diminuir a produção de líquidos (seromas), as malhas fornecem proteção para a pele da região abdominal. No pós-operatório, a paciente apresenta alteração importante da sensibilidade da pele. Assim sendo, curativos mal posicionados, má posição de descanso ou roupas mal indicadas, poderiam causar lesão do tecido, sem que a paciente percebesse, pois ela não iria sentir dor.

O terceiro motivo para o uso da malha pós-cirúrgica (cinta) é o conforto para a paciente. Ela se sente segura com o uso da malha, é como se existisse uma camada a mais de proteção da pele, facilitando a movimentação. Nas semanas iniciais, existe um medo da paciente de abertura dos pontos, ou da ferida operatória por movimentação, mesmo o cirurgião educando sobre o contrário. Assim sendo, a malha acaba fortalecendo e incentivando a movimentação no momento inicial do pós-operatório.


O tempo de uso acaba variando dentro das escolas de cirurgia plástica. Podendo variar entre 1 a 2 meses, dependendo do profissional. Importante é seguir a orientação do seu cirurgião plástico, para que você possa atingir o melhor resultado possível.

A paciente pode retornar ao trabalho e as atividades físicas com uso da malha, sem nenhum problema. É comum que a paciente mantenha o uso das malhas por alguns meses após a cirurgia, mesmo sendo liberada pelo médico da necessidade do uso. A paciente continua o uso por segurança e conforto.

Vale lembrar, que o objetivo da malha pós-cirúrgica não é moldar o corpo da paciente, não existindo melhora com longos períodos de uso.  

14- COMO SE LEVANTAR APÓS ABDOMINOPLASTIA?

Além do corte na pele em região de baixo ventre é comum realizarmos a aproximação da musculatura abdominal por pontos durante a cirurgia (tratamento da diástase dos retos abdominais). Assim sendo, no pós-operatório inicial existe uma variedade de pontos mantendo as estruturas em sua nova posição. Devemos evitar o aumento de pressão, principalmente abrupto, da região abdominal neste momento de pós operatório.
O uso da malha cirúrgica, nos ajuda a dar segurança de movimentação para paciente. Que deve evitar a contração da musculatura abdominal.
Assim sendo, para realizar mudança de posição é interessante que a paciente tenha assistência de um membro da família. Para evitar que a musculatura abdominal tenha que trabalhar/contrair na mudança de posição utilize os braços como apoio, se necessário o familiar pode segurar a nuca (pescoço) e costas da paciente ajudando e orientando a movimentação, limitando a necessidade de o músculo abdominal trabalhar.  
Deve existir um esforço da paciente, a partir da primeira semana, para retorno da posição ereta da paciente, pois é comum a posição contraída (fletida) pelo medo de complicações ao retorno da posição natural. A posição ereta não se dará de um dia para o outro, são milímetros a centímetros ganhos diariamente. Cabe ao familiar estimular o ganho de amplitude e movimentação da paciente.

15- QUANTOS DIAS USA DRENO APÓS ABDOMINOPLASTIA?

O uso de drenos na cirurgia de abdominoplastia tem diminuído drasticamente. Hoje em dia, pela evolução das técnicas é possível realizar uma abdominoplastia sem drenos. No entanto, dependendo do cirurgião e da indicação individual, é possível que seja usado um dreno.
A ideia do uso do dreno é para retirar o líquido (seroma) que o corpo produz para preencher espaços criados pela cirurgia. Assim sendo, a retirada do dreno deve ser feita quando a quantidade de líquido (seroma) for baixa o suficiente para que o corpo consiga drenar com o sistema linfático. Assim sendo, não existe um número fixo, alguns cirurgiões retiram quando drenagem menor que 100ml em 24 horas, outros 50ml em 24 horas e outros aguardam até a drenagem igual a 0 em 24 horas. Normalmente, a retirada do dreno ocorre entre 3-7 dias.
Importante é seguir a conduta do seu cirurgião plástico para atingir o melhor resultado estético possível.

16- PODE TOMAR BANHO APÓS ABDOMINOPLASTIA?

O banho completo pós abdominoplastia é uma conduta individualizada do médico. Existe profissionais que gostam de manter o curativo seco por 3-7 dias de pós operatório, limitando os banhos completos. Outros profissionais liberam o banho completo de forma precoce para limpeza da ferida e troca de curativo. Existem curativos específicos, que possibilitam banho completo sem que ocorra umidade na ferida.
Converse com seu cirurgião sobre os banhos completos ou limitados, uso de chuveirinhos, panos úmidos. O importante é realizar um pós-operatório dentro das orientações do seu cirurgião plástico para atingir o melhor resultado estético possível.

ABDOMINOPLASTIA 03.jpg

17- QUANTOS DIAS APÓS ABDOMINOPLASTIA CONSIGO ANDAR ERETA?

Na primeira semana de pós-operatório, pelo estresse cirúrgico e desconforto pós-operatório, é comum a paciente manter uma posição fletida. Essa posição não causa complicações no pós-operatório, diminui as tensões nas incisões melhorando a cicatrização. No entanto, é importante que a paciente mantenha caminhadas (deambule).
Deve existir um esforço da paciente, a partir da primeira semana, para retorno da posição ereta da paciente, pois é comum a posição contraída (fletida) pelo medo de complicações ao retorno da posição natural. A posição ereta não se dará de um dia para o outro, são milímetros a centímetros ganhos diariamente. Cabe ao familiar estimular o ganho de amplitude e movimentação da paciente.
O retorno da posição ereta é muito individual da paciente, depende do desconforto da mesma e esforço de movimento. Normalmente, no final do primeiro mês de cirurgia a paciente mantêm uma posição ereta confortável.

18- PODE SUBIR ESCADAS APÓS CIRURGIA DE ABDOMINOPLASTIA?

Além do corte na pele em região de baixo ventre é comum realizarmos a aproximação da musculatura abdominal por pontos durante a cirurgia (tratamento da diástase dos retos abdominais). Assim sendo, no pós-operatório inicial existe uma variedade de pontos mantendo as estruturas em sua nova posição. Devemos evitar o aumento de pressão, principalmente abrupto, da região abdominal neste momento de pós operatório.
O uso da malha cirúrgica, nos ajuda a dar segurança de movimentação para paciente. Que deve evitar a contração da musculatura abdominal.
Academias, direção de automóveis e subir escadas entram na possibilidade de movimentos que podem forçar a musculatura da região abdominal.
Caso seja necessário o movimento, mantenha uma mão em região abdominal, a outra em estrutura de apoio (corrimão ou familiar) e realize movimentos lentos.
Converse com seu cirurgião plástico para tirar dúvidas relacionadas ao pós-operatório, dependendo da técnica utilizada, as condutas podem ser diferentes.

19- ABDOMINOPLASTIA, ANTES E DEPOIS (PRÉ E PÓS-OPERATÓRIO)

Na resolução 1947/11 do CFM no Art. 3º versa que:
É vedado ao médico:
g) Expor a figura de seu paciente como forma de divulgar técnica, método ou resultado de tratamento.
Assim sendo, o médico pratica infração quando expõe a figura do seu paciente, mesmo que o paciente não seja identificável, em redes sociais ou sites. Médicos atuantes no Brasil, não podem expor imagens como antes ou depois ou similares, mesmo com autorização do paciente.
Tome cuidado com o profissional da saúde que utiliza de meios fraudulentos de marketing na tentativa de angariar pacientes. Esse profissional sabidamente está cometendo uma infração.

20- QUANTO TEMPO DEPOIS DE GESTAR PODE FAZER UMA ABDOMINOPLASTIA?

A gravidez é momento singular na vida da mulher, e como sabemos, a criança necessita de cuidados exclusivos por grande período pós-gestacional. Deve primeiramente ser avaliado se a mulher se encontra dentro das possibilidades de cuidados de um pós-operatório cirúrgico, caso ainda não seja o momento, podemos planejar o procedimento para uma data futura. A cirurgia plástica estética é uma cirurgia que não possui emergência em ser realizada, sendo então programada naquele momento que os riscos inerentes ao procedimento são mais baixos e a paciente pode atingir os melhores resultados possíveis.
Se você tem uma queixa do seu contorno corporal, possuindo uma sobra de pele em abdômen inferior, principalmente abaixo do umbigo. Se você já não necessita de dedicação exclusiva para seu filho e, principalmente, se você já possui condições de realizar um pós-operatório com qualidade. Você pode ter indicação de abdominoplastia.

21- PODE ENGRAVIDAR DEPOIS DE UMA ABDOMINOPLASTIA?

A cirurgia de abdominoplastia é realizada somente na região de gordura e da pele, não alterando musculatura e órgãos internos. Assim sendo, a paciente pode gestar normalmente após uma cirurgia. Caso não seja desejo da mesma, cuidado deve ser tomado com métodos contraceptivos (anticoncepcionais), pois é normal a retirada de contraceptivos orais antes da cirurgia pela sua conhecida associação com aumento de tromboses. Caso a paciente passe por uma gestação, obviamente o resultado da cirurgia será alterado pela alteração corpórea da gestação.

22- QUAIS AS COMPLICAÇÕES E RISCOS DA ABDOMINOPLASTIA?

As complicações e intercorrências cirúrgicas da abdominoplastia são baixas comparada a outras cirurgias, como cirurgia vascular, ortopedia ou cirurgia oncológica. No entanto, cabe ao cirurgião orientar a paciente para o melhor momento de realizar a cirurgia, momento no qual os riscos cirúrgicos estão diminuídos. Às vezes, as pacientes necessitam compensar alguma doença prévia antes do procedimento (pressão alta, diabetes), parar de fumar ou perder peso. Todos esses fatores estão relacionados ao aumento na chance de complicações cirúrgicas.
Não existe cirurgia com risco zero. No entanto é raro dentro da cirurgia plástica intercorrências graves. Normalmente as complicações que ganham notoriedade na mídia são casos realizados por profissionais não habilitados ou realizados em locais sem estrutura para o porte cirúrgico.
Existem pacientes com maior risco de complicações/intercorrências no pós-operatório, são eles: pacientes masculinos, risco 1.8x maior de complicações; idade maior que 55 anos, risco 1.4x maior de complicação; I.M.C. (índice de massa corporal) >30, risco 1.3x maior de complicações; múltiplos procedimentos cirúrgicos, risco 1.5x maior de complicações.
As intercorrências/complicações cirúrgicas podem ser divididas em localizadas ou sistêmicas. As localizadas incluem: sangue coletado (hematoma), líquido coletado (seroma), infecção da ferida, apertura leve da ferida e alteração de sensibilidade da pele. Dentro destes, o seroma é o mais comum, as vezes sendo necessário drenar com seringas o líquido que se forma.
Vale lembrar que pequenas aberturas da ferida, menores que 1 cm, são comuns e, normalmente, é um problema que se resolve sozinho. O próprio corpo da paciente fecha pequenas alterações de pele.
Alteração de sensibilidade da pele (hipoestesia) é comum. Sendo que 57% dos pacientes apresentam alteração da sensibilidade da pele do abdômen, no entanto, 80% dos pacientes são indiferentes/não se importam com isso.
A diferença da abdominoplastia frente aos outros procedimentos estéticos é sua maior chance de complicações relacionadas a coágulos/êmbolos sanguíneos, o que chamamos de tromboembolismo venoso. Dentro desse grupo de doenças temos a trombose nas pernas (trombose venosa profunda) e o embolo que pode chegar ao pulmão (tromboembolismo pulmonar), esta última mais grave. A chance de alguma dessas doenças quando realiza uma abdominoplastia é de 0.07%. A chance de ter alguma dessa doenças em outra cirurgia plástica estética é de 0.02%. Assim sendo, existe o aumento de chance de complicações na abdominoplastia, no entanto, a chance continua sendo extremamente baixa.

A trombose é a formação de um coágulo de sangue (trombo) dentro do sistema venoso do paciente, normalmente, nas pernas (membros inferiores). A trombose ocorre por vários fatores associados, não sendo possível prevê-lo. No entanto, cabe ao cirurgião plástico avaliar a paciente e tentar diminuir o máximo o risco de complicações relacionadas ao procedimento. Por vezes, é necessário que a paciente pare de fumar ou perca peso antes da cirurgia para diminuir o risco de trombose.
Existe uma associação da trombose com o tempo passado do procedimento. Ou seja, normalmente, a trombose ocorre próximo ao evento cirúrgico. No entanto, existe relatos de tromboses que ocorreram 1 a 3 meses depois do procedimento cirúrgico.
Muito importante é o entendimento da paciente do seu papel na recuperação. O fato de retornar as atividades, de movimentar-se e caminhar diminui as chances dessas complicações. Dessa forma, logo após o procedimento, a paciente é estimulada a caminhar (deambular) para ativar a musculatura da perna diminuindo a chance de complicações.
Caso a paciente apresente um inchaço (edema) nas pernas, de forma estranha (rapidamente) associada a dor ao movimento e endurecimento, deve entrar em contato com seu médico assistente. Esses achados são compatíveis com trombose. O importante é seguir as recomendações do seu cirurgião plástico.

23- QUANTO TEMPO DEPOIS DA ABDOMINOPLASTIA PODE TER TROMBOSE?

24- QUAL O VALOR DE UMA ABDOMINOPLASTIA (CUSTO)?

O preço de um procedimento cirúrgico pode variar muito. No entanto o valor do procedimento é baseado no custo da equipe médica, custo da equipe de anestesia e hospital.
Custo da equipe médicas: A abdominoplastia é um procedimento médico dependente, ou seja, cada médico consegue atingir um resultado diferente de acordo com suas próprias qualidades. Assim sendo, os valores podem variar bastante. Normalmente o cirurgião plástico acaba se subespecializando dentro de algum seguimento cirúrgico, como contorno corporal ou cirurgia face. Obviamente, especialistas que são referências dentro de cada área possuem um custo mais alto. Normalmente, os especialistas possuem publicações de artigos, livros e são chamados para apresentar aulas para outros cirurgiões plásticos, este é o conceito de referência médica.
Custo do Hospital: Hospitais em grandes regiões metropolitanas, com maior estrutura e equipamentos de ponta possuem preço mais alto que outros hospitais. A presença de uma U.T.I. (unidade de tratamento intensivo), aumenta o custo de um hospital, vale lembrar que é raro a necessidade de encaminhamento do paciente para uma U.T.I. no pós-operatório cirúrgico de uma cirurgia plástica estética, e que os hospitais sem esse suporte necessitam possuir contratos que possibilitem encaminhamentos dos pacientes caso surja essa necessidade.
Existe um custo que normalmente não é contabilizado pela paciente, mas deve ser citado, que são os custos no pós-operatório, como medicações, uso de malhas específicas e drenagem/massagem por profissional habilitada. É comum indicação de 10 sessões de drenagem no pós-operatório, sendo necessário uma reserva de valor para estes custos no pós-operatório.
Vale destacar que a necessidade de novos procedimentos para tratamento de intercorrências, conhecido pelos pacientes como ´´RETOQUE``, impõe novos custos para o paciente, sendo este responsável pelo custo da equipe médica, custo da equipe de anestesia e hospital.
Não existe cirurgia plástica com promessa de resultado, cada corpo é único e deve ser tratado desta forma.

Marque sua Consulta

Todas as consultas médicas de pré e pós-operatório são realizadas na Clínica Caio Garcia de Cirurgia Plástica na Praia Brava, entre Itajaí e Balneário Camboriú.

A  consulta médica é o primeiro passo da relação médico-paciente. Serve para avaliar corretamente o caso com exame físico detalhado, compatibilizar as expectativas e possibilidades de resultado dos procedimentos indicados, retirar dúvidas do paciente e passar o orçamento.